Estudantes do Mestrado em Engenharia Informática em destaque na QSP Summit 2017

Dois Alunos do Mestrado em Engenharia Informática da Escola Superior de Tecnologia apresentaram projeto interativo na edição de 2017 da QSP Summit, uma das mais relevantes conferências de marketing e gestão da Europa que acolhe os líderes globais que marcam tendências de futuro na área.

Na Unidade Curricular de Desenvolvimento de Interfaces Aplicacionais do Mestrado em Engenharia Informática (MEI), coordenada pelo Professor João Martinho Moura, os alunos estudam o design, desenvolvimento e a avaliação de interfaces em sistemas computacionais, assim como os fenómenos principais que acompanham o processo interactivo. Numa sociedade onde a utilização de interfaces é cada vez frequente, torna-se relevante o estudo desta área, e o desenvolvimento de boas práticas no desenho e implementação de interfaces. A boa experiência de interação é crucial para o sucesso de um sistema ou produto aplicacional. Porque cada vez mais os utilizadores interagem com diversificadas fontes de informação, os sistemas interactivos de visualização de informação têm um papel crucial, para a efectiva exploração da informação que nos rodeia. À medida que entramos na era pós-PC, emergem novas tecnologias que trazem novos desafios nas abordagens ao design da interface. A massificação de dispositivos com diferentes características interactivas, como sistemas móveis, ou sistemas de realidade virtual e aumentada, promovem novas reflexões no desenho de boas práticas na área da interface.

Nesse contexto, os alunos de mestrado Ernesto Ferreira e Michael Matias desenvolveram a aplicação interativa “Touch to Play”, que foi apresentada publicamente na conferência QSP Summit (http://www.qspmarketing.pt/summit/pt), que se realizou no Porto, em 23 de Março. Trata-se de um jogo sério que visa a participação de duas pessoas, em modo colaborativo, na exploração de um ambiente virtual, controlando um avatar, um lobo, numa floresta virtual, em ambiente imersivo e lúdico. A interação acontece quando dois utilizadores participam em conjunto, em modo colaborativo, através do toque. O software desenvolvido detecta a condução elétrica entre os jogadores e activa uma reação no avatar, de modo a evitar obstáculos. A solução foi desenvolvida para as empresas Alcateia e Solid-IT.

capture111

A Solid-IT é uma empresa de desenvolvimento de soluções gráficas e computacionais, complementada também pela vertente mobile e web que entrega soluções únicas aos seus clientes.

A Alcateia é uma agência criativa empenhada em projetar experiências inesquecíveis, capazes de envolver os clientes e de criar uma repercussão emocional de alto impacto.

A parceria destas duas empresas conjuntamente com o MEI permitiu o desenvolvimento e entrega de uma experiência única na QSP Summit.

O desenvolvimento de investigação na área das interfaces avançadas é uma forte aposta da Escola Superior de Tecnologia do IPCA, que em 2014 inaugurou o Centro de Investigação e Desenvolvimento em Jogos Digitais, Digital Games Lab, uma estrutura fundamental de ligação e interface com o sector empresarial, desde logo pela possibilidade de disponibilização de capacidade instalada para a investigação aplicada e prototipagem de novas soluções para as empresas. O edifício aloja seis novos laboratórios: de audiovisual, de ensaios, de interfaces e robótica, de desenvolvimento de produto, de jogos digitais e redes.

O Mestrado em Engenharia Informática do IPCA tem como objetivo a transmissão de conhecimentos nas áreas do desenvolvimento de aplicações, redes e segurança e, ainda, sistemas empresariais. O Mestre em Engenharia Informática está habilitado para: a) Análise, especificação e desenvolvimento de aplicações, utilizando as mais recentes tecnologias; b) Administração e configuração de redes e sistemas informáticos, com especial relevo para as áreas da administração de sistemas, administração da segurança informática, infraestruturas de comunicação e sistemas de cloud-computing; c) Utilização e gestão dos sistemas e tecnologias de informação, nomeadamente através da utilização de tecnologias e ferramentas com vista à otimização dos recursos de informação de uma organização; d) Engenharia de Software, com análise, especificação e desenvolvimento de soluções para a web e para dispositivos móveis; e) Design e desenvolvimento de interfaces aplicacionais para a visualização de dados, aplicações interativas em realidade virtual e aumentada, para as áreas da indústria, jogos e produto; f) Análise e Processamento de dados em larga escala com Big Data, Business Intelligence & Analytics.

Em junho estarão abertas as candidaturas, para que em setembro de 2017 se inicie a sua quinta edição.